Eletrônicos e sustentabilidade: você precisa mesmo de um novo celular?

Eletrônicos e sustentabilidade: você precisa mesmo de um novo celular?

Não esqueça de aplicar o consumo consciente até na hora de comprar novos eletrônicos.

Me conta uma coisa: você tá lendo esse post no seu celular? Ou será que é no seu computador? Os eletrônicos já são uma parte essencial da nossa rotina, mas isso não quer dizer que a gente deve sair por aí consumindo esse tipo de tecnologia sem avaliar com consciência o impacto que ela causa, né? Pelo contrário: essa nossa paixão pelos gadgets só mostra como é hora de reavaliarmos as coisas e propormos uma relação mais equilibrada entre nós, eles e o Planeta.


Se esse assunto se conecta com o que você pensa, vem comigo!

Índice

Essa tal vida digital.

Nos últimos anos vem acontecendo um processo que os especialistas chamam de transformação digital. O nome já diz tudo: as tecnologias estão se ampliando cada vez mais e mudando totalmente o nosso jeito de viver. Por exemplo, é graças a isso que, com alguns cliques, você consegue comprar as minhas barrinhas sem sair de casa e receber tudo direitinho com rapidez e segurança sem nem levantar do sofá.

mulher sorrindo e segurando com as mãos 4 embalagens cosméticos em barra

Tem muita coisa boa envolvida, claro, mas é sempre legal ficar esperta com alguns aspectos negativos disso tudo. Por exemplo, tem gente que acaba usando de forma exagerada os dispositivos digitais e isso pode interferir na saúde, nas relações sociais e até no emprego da pessoa. Basicamente, a gente conversa tanto pelo celular que tá desaprendendo a conversar cara a cara.


Mas tem outro fator que merece a sua atenção: o impacto ambiental desse estilo de vida. pra suprir essas necessidades digitais cada vez maiores e mais avançadas, a indústria de eletrônicos lança uma quantidade absurda de novos produtos e dispositivos em um ritmo frenético. Na ânsia de acompanhar essa onda de novidades e novos recursos, a gente acaba entrando nessa corrida pra ver quem tem o modelo mais recente e esse consumo nem um pouco consciente tem um custo social e ambiental que simplesmente não dá pra ignorar.


Leia também: Consumo consciente: como suas escolhas de consumo tornam o mundo melhor

Atualizando… nossas informações.

Pra você ficar ligada, eu fui buscar alguns estudos e números sobre esse assunto. Eles mostram qual é o tamanho do impacto que a indústria de eletrônicos – e outras que orbitam esse universo digital – pode ter no Planeta. Dá um check aí!


  • Em média, pra se produzir um único smartphone são gastos 12.760 litros de água e utilizados 18 metros quadrados de solo.
  • Aparelhos eletrônicos podem conter diversos tipos de substâncias tóxicas e metais pesados, como o chumbo, mercúrio, cromo e cádmio.
  • Esses produtos também contêm metais preciosos e raros – como ouro, prata, cobre, alumínio e ferro – que, se fossem reciclados poderiam render mais de US$ 1,7 bilhão em matéria prima secundária, só na América Latina.
  • Segundo o Monitor Global de Lixo Eletrônico 2020 da ONU, o  mundo gera mais de 53 milhões de toneladas de lixo eletrônico por ano.
  • No mundo todo, apenas 17,4% do lixo eletrônico é direcionado a centros adequados de gerenciamento e reciclagem; na América Latina, esse número cai a míseros 3%.

Sacou como esse assunto é importante? Se a gente sair comprando um novo celular todo ano, essa decisão se reflete diretamente na nossa saúde e na do Planeta. E se a indústria da beleza tem seu lado feio, a indústria dos eletrônicos também tem um lado bastante obscuro. Uma das principais estratégias usadas nesse meio pra que a gente troque de celular ou notebook todos os anos é a obsolescência programada.

O que é a obsolescência programada?

A ideia por trás da obsolescência programada é beeem simples: programar um produto pra deixar de funcionar após um certo tempo, forçando o consumidor a comprar um novo. Assustou? Mas é o que acontece – de forma escondida, claro – com muitos dos eletrônicos que você tem em sua casa, provavelmente.


Essa prática existe no mercado há décadas e hoje já rolam muitas ações coletivas e associações de defesa do direito dos consumidores questionando esse tipo de postura das fabricantes na justiça. A obsolescência programada pode ser mais explícita, fazendo um dispositivo "pifar" ou estar camuflada na forma de uma bateria de celular que se esgota rapidamente. Mas ela também pode ser bem sutil e agir de forma enganosa através das atualizações de sistema e lançamento de novos recursos em um espaço de tempo cada vez menor. Afinal, se as marcas estão constantemente apresentando modelos novos, mais bonitos e com mais funções, quem vai querer ficar com uma versão antiga nas mãos?

mulher com smartphone

O problema disso tudo é que, de uma forma ou de outra, essa estratégia nos leva a comprar mais e mais produtos eletrônicos quando, na verdade, talvez a gente nem precisasse. E isso só vai alimentando esse ciclo incontrolável de consumo inconsciente e produção de lixo, que é extremamente danoso ao Planeta.


Leia também: Por que o lixo é um problema?

Baixando… nosso ritmo de consumo.

Dá pra lutar contra tudo isso e reduzir nosso impacto digital, consumindo com mais consciência e equilíbrio? Opa, dá sim! Nadar contra a maré nunca é a opção mais fácil, claro, mas se você quiser buscar um estilo de vida mais sustentável e minimalista, eu trouxe algumas dicas pra compartilhar com você.

mulher deitada na banheira com cosméticos em barra

Analise seu uso.

Como eu já disse antes, a gente depende desses aparelhos eletrônicos, e ninguém aqui precisa se isolar da vida digital. Mas é legal fazer uma boa análise do seu uso e avaliar quais são suas necessidades reais.


Talvez você realmente precise de mais espaço de memória em seu celular, de um processador mais potente em seu notebook ou de uma TV com recursos que serão úteis. Se for esse o caso, beleza: sua nova aquisição fará mais sentido e essa compra será uma escolha consciente. Mas, se não for, controle o impulso e deixe pra investir em um novo eletrônico no futuro, quando realmente se tornar uma necessidade.

Faça as contas.

O consumo consciente também é bom pro seu bolso. Afinal, as coisas custam e, de forma geral, eletrônicos não são itens baratos. Comprar todas as novidades do mercado de tecnologia pode ter um impacto negativo nas suas finanças.


Faça as contas antes de decidir pela aquisição de um novo item e pense friamente se o valor desse produto se encaixa com o seu orçamento. Fazer isso pode evitar que você aja sem pensar e de quebra ainda evita alguns problemas pro Planeta.

Conheça – e use – seus direitos.

Como consumidora, você tem direitos. E vale a pena conhecê-los e cobrar das marcas que os respeitem. Se isso não rolar, vá à luta e cobre por justiça. Por exemplo, no caso da obsolescência programada, a justiça já deu ganho de causa a diversas ações que contestam essa prática das fabricantes. Também há diversos casos de "compra casada", que é quando você se sente obrigada a levar outro produto junto com aquele que realmente queria. 


Se você achar que seu produto deveria durar mais tempo e que você não pode ser forçada a comprar um novo modelo sem motivo justo, procure o Procon ou outras entidades de defesa pra se informar. Você pode ser quem dará voz a milhares de outros consumidores enfrentando o mesmo problema.

Descarte corretamente.

Bem, por fim, outra dica pra reduzir o impacto que o consumo de eletrônicos tem na nossa vida e no Planeta é tendo bastante cuidado e preocupação na hora de fazer o descarte desses itens. Esses produtos costumam ter uma mistura nociva de materiais como plásticos e metais contaminantes que podem fazer muito mal ao meio ambiente se não forem descartados da forma correta.


Algumas marcas de eletrônicos já possuem seus próprios programas de reciclagem e logística reversa: pesquise como participar deles e dar o fim correto a esses itens. Também vale prestar atenção em postos de coleta de eletrônicos usados: eles costumam ficar em locais de grande fluxo de pessoas, como supermercados, shoppings e até mesmo em lojas do setor. A reciclagem desses materiais é difícil e depende de empresas especializadas nesse processo, por isso vale a pena fazer o possível pra garantir que eles sejam encaminhados a quem sabe o que está fazendo.

Pesquise antes de comprar.

Na hora de comprar um novo celular ou qualquer outro eletrônico, procure saber mais sobre a empresa fabricante e sobre o impacto desse produto. Pesquise se a marca possui uma visão de sustentabilidade bem consolidada, com programas de redução de seu impacto e adoção de tecnologias mais conscientes. Tente saber como a empresa trata seus funcionários e fornecedores, e descubra se ela enfrenta processos na justiça por práticas como a obsolescência programada. Isso fará você pensar e refletir se está fazendo uma compra mais consciente e alinhada com o que você deseja pro futuro.

homem fazendo compras online com cartão de crédito

Leia também: Guia do Consumo Consciente BOB

Compartilhando…nossas experiências.

Bom, depois de saber disso tudo, fica o convite: vamos repensar juntas essa nossa dependência dos eletrônicos mais recentes e dos últimos lançamentos da tecnologia? Dá pra ser moderna e se manter atualizada sem prejudicar o Planeta, né?


Conta aqui como você faz pra consumir tecnologia com mais equilíbrio, onde você descarta seus aparelhos usados e outras dicas. Em vez de trocar nossos eletrônicos, vamos trocar informações e experiências!

Compartilhe no Linkedin

Deixe um comentário

meus produtos

promoção
promoção
promoção
promoção
promoção
promoção
promoção
ver todos os produtos