Consumo consciente: o que é e como aderir a esse estilo de vida

O consumo consciente entrou de vez para a pauta da atualidade. Ele está presente em diversas atividades de nosso dia a dia: das compras que fazemos até o modo como nos relacionamos com o lixo que produzimos. Se é assim, refletir sobre o modo como consumimos e as razões que nos levam a isso faz todo sentido, não é mesmo? Afinal, vivemos na Era do Consumo, como alguns afirmam.

Questões como essas se tornam ainda mais importantes quando espiamos o calendário e notamos que mais uma Black Friday está batendo à porta. Por isso, nada mais oportuno que mergulharmos neste assunto tão atual e urgente às vésperas de um evento que celebra o consumo com tanta intensidade. A B.O.B. que aproveitar essa oportunidade para ajudar você a repensar o consumo.

Então, vem com a gente! 

Índice

  1. Segure esse impulso!
  2. Pesquise os impactos de seu consumo
  3. Menos é mais
  4. Só acaba quando acaba
  5. Cuide do seu lixo
  6. Crédito ou Débito?
  7. Saiba mais sobre quem fabrica o seu produto
  8. Seja um embaixador do consumo consciente
  • Conclusão
  • O que é consumo consciente?

    Este é um conceito que pode assumir diversas interpretações, mas todas elas apontam para uma mesma direção. Você pode encontrar a mesma ideia sendo tratada como consumo sustentável, ou até mesmo como consumo responsável, apesar de existirem pequenas diferenças teóricas entre os termos.

    De forma resumida, consumo consciente seria toda ação de consumo - como comprar produtos, contratar serviços, consumir alimentos ou utilizar recursos naturais - que leva em consideração os impactos sociais, econômicos e ambientais ocorridos a partir dessa ação, seja antes, durante ou após esse consumo.

    Conhecer quais são esses impactos e entender que um ato individual de consumo não é tão individual assim, pois gera efeitos no âmbito coletivo, é uma forma de despertarmos essa consciência.

    Conforme nos tornamos mais conscientes dos eventuais impactos negativos de nossas escolhas de consumo, a tendência é passarmos a tomar decisões que minimizem esse impacto, não? Por isso, praticar o consumo consciente é preferir, sempre que possível, formas de consumo que geram impactos positivos e, na medida do possível, eliminam ou reduzem seus impactos negativos.

     O consumo consciente em 3 tempos

    O verbo “consumir” tem um significado muito amplo: comprar, adquirir, usar, comer. Mas ele também significa acabar, gastar e, infelizmente, destruir. 

    Podemos pensar dessa forma: consumir não é uma ação que se encerra ali, naquele momento pontual. Na verdade, o ato de comprar um produto ou utilizar um recurso é apenas uma etapa de um ciclo de consumo mais extenso e complexo, do qual poucas pessoas têm conhecimento. 

    Por isso, quando falamos em consumo consciente, precisamos seguir uma linha de tempo que se divide em 3 momentos: o antes, o durante e o depois.

    Antes

    Produtos não surgem nas prateleiras das lojas como um passe de mágica, frutas não nascem nos mercados, e a água que usamos em casa não chegou até lá por acaso. Somente olhando para trás poderemos ter uma noção dos processos e impactos prévios envolvidos com nosso consumo.

    Algumas perguntas que podemos fazer são:

    • Como ocorre o processo de plantio/extração/captação/produção
    • Quais matérias primas e recursos são usados? É um processo sustentável?
    • Há algum prejuízo ambiental nesse processo? Fazem testes em animais?
    • Quem são os trabalhadores envolvidos? Eles trabalham em condições dignas?
    • De onde esse produto ou recurso veio, e como chegou até nós?

     Por exemplo: saber que a água, um recurso essencial e cada vez mais escasso, é captada da natureza para represas e reservatórios com níveis cada vez mais baixos, pode — ou, ao menos, deveria — nos levar a utilizá-la em nosso dia a dia de modo mais racional.

    E a fruta do seu lanche da tarde? Se você a comprou no mercado, não é difícil fazer um exercício de viagem no tempo e entender que alguém plantou essa semente, regou, cuidou do solo e acompanhou seu crescimento até frutificar. Quem fez isso? Uma família de agricultores locais? Ou algum conglomerado do setor agrícola? Pense em quanta água, energia, insumos, combustível, embalagens e muito mais foram necessários para essa fruta chegar até você.

    Antes de comprar uma nova camiseta, você também pode imaginar que o algodão foi plantado e colhido por alguém, passando por processos de tecelagem industriais e tratamentos químicos, como tinturas, e gerando resíduos poluentes que, provavelmente, foram descartados de forma incorreta no ambiente. Pense também nos trabalhadores cortando e costurando essas peças, de onde eles são e quais seriam as condições de trabalho deles.

    consumo conscienteDurante

    Esta é a fase do consumo que abrange tanto a compra de um produto quanto seu uso ao longo de determinado período. Ser racional neste momento é a chave para um consumo mais consciente.

    Aqui, as perguntas que você pode fazer são:

    • Eu realmente preciso desse item?
    • Ele tem um valor justo? Aparenta ter qualidade/durabilidade?
    • Tenho condições de pagar por isso sem comprometer minhas finanças?
    • Ele é embalado/disponibilizado de forma inteligente? Vai gerar descarte de embalagens plásticas/recipientes desnecessários?
    • Por quanto tempo pretendo usá-lo? Existem formas mais racionais de consumir esse produto ou recurso? Ele é um recurso finito?

    De acordo com a ONU, precisamos de 110 litros de água por dia para atender nossas necessidades. No entanto, no Brasil, essa média chega a mais de 200 litros por dia.

    Diante disso, sabia que fechar a torneira ao escovar os dentes já economiza 11 litros de água? E que desligar chuveiro enquanto se ensaboa pode evitar o desperdício de outros 80 litros? São escolhas positivas que você pode tomar durante o uso da água para diminuir os impactos de seu consumo.

    Pense na camiseta: quantas outras você tem em casa? Ela realmente é necessária? A indústria da moda cria diversas coleções ao longo do ano para gerar um impulso nos consumidores a atualizarem seu visual. Avalie esses fatores antes de decidir por uma nova peça de roupa.

    E escolher as frutas da estação, sempre mais frescas e saudáveis do que as demais (que estão com preços elevados para compensar o gasto extra de recursos em sua produção fora do ciclo natural) também é consumir com consciência, tá?

    Depois

    Repensar qual é o momento de descartar um item e antever os possíveis impactos desse descarte faz parte de uma postura de consumo mais sustentável e consciente. Você pode se perguntar:

    • Este produto realmente chegou ao fim de seu ciclo? Consigo reutilizar esse item de alguma forma?
    • Está em boas condições para ser doado, talvez?
    • Como faço para descartar esse produto ou resíduo? Ele exige algum tipo de gestão especial (caso de eletrônicos, remédios, óleo de cozinha, por exemplo)?
    • Há alguma chance de ser reciclado?
    • Esse descarte pode prejudicar, de alguma forma, outra pessoa ou o meio ambiente?

    Sua camiseta pode não ser da última coleção, mas ainda veste você bem? Alguns pequenos reparos em nossas roupas podem alongar sua vida útil! Aliás, falando em moda: consertar suas próprias peças e exibi-las com orgulho por aí já virou tendência, sabia? #visiblemending. 

    consertar as próprias roupas

    A casca da fruta que você acabou de comer também não precisa necessariamente ir para o lixão. Que tal conhecer um pouco mais sobre a compostagem doméstica

    E você pode investigar o que ocorre com a água depois que escorre pelo ralo. Avalie com carinho quais produtos você tem usado em seu banho, quais são seus componentes químicos e de que forma podem contaminar essa água que invariavelmente, chegará a algum rio ou oceano, causando danos a diferentes ecossistemas.

    Somos mesmo responsáveis?

    Você não precisa se sentir culpado por todas as mazelas sociais e ambientais que existem no mundo só porque resolveu comprar um produto qualquer. A ideia aqui não é bem essa.

    Na verdade, o consumo responsável mostra como temos poder de escolha, e que nossas decisões de compras são formas de pautar o debate sobre o mundo que queremos no futuro.

     Do nosso lado da moeda, enquanto consumidores, um auto-exame é sempre bem-vindo: estudos indicam que os impactos de nosso consumo pessoal abrangem 60% das emissões de gases de efeito estufa e 80% do uso global de água! Eita! Mas calma, não se assuste! Não foi você que gastou toda essa água: são impactos indiretos, ou seja, esses recursos foram consumidos por toda a cadeia econômica que sustenta a fabricação dos produtos que compramos. 

    emissão de poluicao

    Novamente, é tudo questão de escolha: quando você dá preferência a um produto sustentável, está se libertando dessa cadeia negativa, e assumindo uma posição mais consciente. Lembre-se que o mercado é guiado por demanda: se nós, consumidores, redirecionarmos nosso consumo, ele se vê obrigado a mudar junto com a gente. Viu só todo o poder que você tem?

    No entanto, ninguém aqui está tentando livrar a barra das indústrias e empresas que são responsáveis diretas por estes impactos. Pelo contrário: a ideia é justamente expor esta realidade como forma de exigir mudanças e cobrar posicionamentos mais conscientes nos processos produtivos, reduzindo esses impactos.

    Muitas marcas já estão se mobilizando nesse sentido! A Lego, por exemplo, já estuda abandonar o plástico de suas pecinhas devido à pressão que a criançada exerceu sobre a marca, enviando cartas para a empresa.

    Marcas sustentáveis e conscientes? Sim, elas existem!

    Com a crescente demanda do público consumidor por mais opções de produtos e bens pautados por uma postura mais sustentável, muitas empresas têm aderido a essa ideia e ajustado seus processos produtivos para se adequar a um mercado mais consciente de seus impactos. 

    Grandes corporações globais, como Coca Cola e Procter & Gamble têm se movido e lançado produtos alinhados com a sustentabilidade e o consumo responsável. Mas é um movimento ainda lento e pouco abrangente, se considerarmos a escala de seu impacto no planeta.

    Por outro lado, temos visto o nascimento de marcas que já chegam ao mercado marcadas por um firme compromisso com os ideais da sustentabilidade e do consumo consciente. São empresas que assumiram a responsabilidade por sua atuação e por seu impacto gerado nos clientes, nas comunidades envolvidas e, claro, no ambiente.

    Nesse sentido, um bom exemplo de iniciativas nessa linha vem de um grupo de empresas brasileiras com propósito de consumo responsável e consciente que se uniu em torno do selo Compras Conscientes: a ideia é aglutinar marcas sustentáveis e voltadas a uma nova economia, onde o lucro e a rentabilidade do negócio não passam por cima da responsabilidade social e ambiental de seus produtos.

    A Holistix, integrante do grupo, é uma plataforma de produtos que inspiram mini-hábitos saudáveis e muito variados. Com base em sabedorias ancestrais e medicina moderna, a marca traz itens práticos e fáceis de incluir na rotina, desde raspadores de língua, passando por um mix de bebidas saudáveis e chegando até a planners charmosíssimos.

    Outra empresa do selo é a YVY, que propõe uma nova forma de limpar a casa, com mais simplicidade, máxima eficiência e mínimo de impacto no planeta. A inovação está em um sistema de cápsulas retornáveis que levas as fórmulas ultra concentradas de limpeza. Um sistema inteligente que gera menos impacto ambiental e limpa a casa sem sujar o planeta.

    A Maria Tangerina é uma marca bolsas e acessórios de produção local, transparente e livre de crueldade que produz suas coleções de maneira ética e responsável, incentivando a economia local e conscientizando sobre os impactos de nosso consumo.

    Já a Care Natural Beauty aposta que não dá para cuidar de nós mesmos sem cuidar dos animais, da natureza e de todas as outras pessoas que compartilham desse mundo com a gente. Por isso, a marca focada em autocuidado pessoal aposta em ingredientes naturais para seus produtos de skincare e maquiagens — todos com fórmulas limpas e livres de crueldade animal.

    A Pantys inovou com suas calcinhas absorventes: elas são laváveis, reutilizáveis, confortáveis, higiênicas, modernas, sustentáveis e — ufa! — lindas, claro! Elas dispensam o uso de absorventes descartáveis (itens extremamente poluidores) e são produzidas em tecidos biodegradáveis.

    Por fim, a B.O.B. também integra o selo Compras Conscientes. Você já sabe: a B.O.B. trouxe para o mercado de cuidados pessoais suas incríveis barrinhas de shampoos e condicionadores sólidos que economizam água (80% do volume das versões líquidas é pura água) e acabam com as embalagens plásticas que causam tantos problemas ambientais.

    As combinações das diferentes barrinhas da BOB atendem a todo tipo de cabelo, e a família não para de crescer: as barras de limpeza facial acabaram de chegar! Você já conheceu?

    Razões para aderir ao consumo consciente

    Além de mostrar que, como consumidores, temos poder e sabemos exercê-lo, aderir ao consumo sustentável traz impactos positivos para nós e para tudo aquilo que nos cerca. Por exemplo: quando você repensa seu consumo e deixa de adquirir algo que não precisa, acaba economizando e seu bolso agradece, não é mesmo? 

    Além disso, reduzir nosso consumo também simplifica nosso dia a dia: com menos pertences, temos menos preocupações e sobra mais espaço pela casa.

    Vamos adiante: consumir com consciência pode fazer muito bem a outras pessoas! Optar por produtos que seguem práticas de responsabilidade social e igualitárias fortalece os direitos dos trabalhadores e garante boas condições de trabalho e vida para aqueles que fabricaram o item que você comprou. O contrário também é verdadeiro: evitar produtos que desvalorizam trabalhadores e não garantem condições dignas de produção é uma forma de pressionar pelo fim dessas práticas abusivas e levar as empresas responsáveis a implementar mudanças.

    Por último, claro: consumir com consciência só traz benefícios para o meio ambiente!  

    Toda vez que você escolhe um item produzido sob a ótica da sustentabilidade, está garantindo um uso mais racional de recursos naturais escassos e valiosos. Quando deixa de comprar algo por impulso, está cortando o ciclo de consumo de recursos investidos em sua produção: água, energia, matérias primas, combustível, embalagens, e muito mais!

    Como consumir com mais consciência

    Existem diversas forma de exercer um consumo mais consciente e equilibrado, e elas também podem ser implementadas de maneiras diversas. Aliás, se quiser saber qual é seu perfil de consumidor, que tal fazer um teste? 

    Até mesmo o não-consumo é um ato consciente, sabia? Reflita: quando você opta por não adquirir um novo calçado e prefere consumir (leia-se usar até acabar) o que já tem em casa, está seguindo a trilha do consumo consciente!

    De forma simplista, consumir conscientemente tem tudo a ver com reflexões e decisões. Por isso, preparamos algumas orientações práticas para ajudar você a criar o hábito de refletir, pesquisar e decidir por um consumo mais equilibrado. Veja algumas:

    1. Segure esse impulso!

    Crie o hábito de refletir brevemente antes de cada compra. Isso evita uma decisão impulsiva — uma das grandes vilãs do consumo consciente. Se possível, planeje antecipadamente suas compras, especialmente as recorrentes: assim, você consegue comprar menos e melhor.

    1. Pesquise os impactos de seu consumo

    Hoje em dia é fácil obter informações sobre os impactos de seu consumo. Procure descobrir como determinado produto é fabricado, quais recursos utiliza e se a empresa respeita os trabalhadores envolvidos. Imagine também quais os efeitos gerados pelo descarte. Considere sempre o meio ambiente e a sociedade em suas escolhas.

    1. Menos é mais

    Lembre-se: até itens gratuitos têm seu preço. Da mesma forma, adquirir um produto desnecessário só porque está em promoção pode ser um péssimo negócio. Por isso, sempre reflita sobre suas reais necessidades e a utilidade de uma compra. Ah, e se possível, experimente viver com menos. :)

    1. Só acaba quando acaba

    Tem conserto? Pode ser reutilizado? Dá para transformar em outra utilidade? Então não jogue fora. Não compre nada que você já tenha em casa e pode ser útil ainda.

    reaproveitamento de alimentos

    1. Cuide do seu lixo

    Descartar com consciência é consumir com consciência, claro. Faça a gestão de seu lixo caseiro, direcionando para a reciclagem o que for possível. Isso economiza recursos naturais, reduz a degradação ambiental e apoia a geração de empregos. E tem mais: uma composteira doméstica pode fazer maravilhas com seus resíduos orgânicos, sabia?

    1. Crédito ou Débito?

    Vamos falar do seu bolso? Consumir algo que você não pode pagar está longe de ser uma atitude consciente. Além de analisar o real valor e a utilidade de sua compra, é sempre melhor pagar à vista. Comprar a crédito pode ser uma decisão traiçoeira que gera impactos negativos em sua vida financeira, ok? Use essa modalidade com cuidado!

    1. Saiba mais sobre quem fabrica o seu produto

    Hoje em dia, muitas companhias têm adotado uma postura mais sustentável, responsável e consciente em sua atuação no mercado, e valorizar essas marcas é estimular mais iniciativas como essas.

    Da mesma forma, evitar produtos de origem duvidosa (piratas ou contrabandeados) ou que são oferecidos por empresas notadamente irresponsáveis do ponto de vista social, ético e ambiental é uma forma de exercer seu poder de escolha e de transformação: muitas delas adotaram uma visão mais sustentável após ações como essas. E claro: sempre é legal enviar suas sugestões e críticas construtivas a elas, no intuito de gerar mudança.

    1. Seja um embaixador do consumo consciente

    Se você sabe que consumir com mais consciência é tão bacana, traga mais pessoas para o lado do bem! Atuar como um militante da causa deve ser um caminho natural, compartilhando informações, valores e práticas do consumo consciente e sensibilizando outros consumidores próximos de você. Na esfera política, você pode cobrar das autoridades quais são suas iniciativas ou propostas nesse sentido. 

    Conclusão

    Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o consumo consciente “é uma contribuição voluntária, cotidiana e solidária para garantir a sustentabilidade da vida no planeta”. Para o Instituto Akatu, consumir com consciência “é consumir diferente, tendo no consumo um instrumento de bem estar e não um fim em si mesmo”.

    A B.O.B. acredita que o consumo consciente é uma ação carregada de propósitos e boas intenções que excedem os interesses individuais em prol do benefício coletivo. É adotar um estilo de vida menos egoísta e automatizado, exercitando nosso espírito crítico e ampliando nossa noção de pertencimento a uma comunidade global que compartilha do mesmo planeta, dos mesmos recursos, dos mesmos desafios.

    Por isso, nossos produtos foram concebidos e desenvolvidos sob a ótica do consumo sustentável desde o princípio. As barrinhas de shampoos e condicionadores sólidos da B.O.B. usam ingredientes naturais, e de origens certificadas. São produtos sustentáveis, naturais, veganos, livres de qualquer crueldade animal e zero plástico, usando apenas embalagens biodegradáveis. Demais, hein?

    Essa é a forma de fazer nossa parte: criando uma economia mais equilibrada e inspirando nossos consumidores a abraçarem novas forma de consumir, sempre com mais consciência e responsabilidade. E, claro, queremos você ao nosso lado!

    Deixe seus comentários e compartilhe com a gente quais atitudes de consumo consciente você tem aplicado à sua rotina. Vamos inspirar e fortalecer uns aos outros! :)

    1 comentário

    Dentro do contexto de consumo conciente e descarte procuro e tenho o hábito de comprar produtos orgânicos sem embalagens, até para evitar muitos consumo e desperdício fiz uma horta em casa e compostagem de alimentos, onde alimentos geral alimentos frescos e sem embalagens e o melhor colhidos na hora e em casa. Outro habitos é descartar e separar todo o lixo que ainda infelizmente é produzido….meu é muito plástico…até loucura… Quando compro procuro produtos com eembalgens biodegradáveis ou com menos plástico, mas mesmo assim o lixo esta presente….isso ainda particando os 5s da sustentabilidade e os 5Rs.
    Sempre procuro pensar quando compro um produto sobre a embalagem se pisso reutilizar se caso comprar ou se realmente preciso do produto é incrível que as cezes acabo mudando toda a lista de compra por motivos da produção de muito lixo embalgem plásticas.
    Uma questão é as embalagens dos shampoos e outra sem tirar que sao inumeros opões e como vocês B.O.B, outras empressas não tem a opção em barras so sabonetes, em falar nisso gostaria muito de adquirir essa versão mas ja comprei alguns produtos pla internet e até hoje não chegaram nao sei o motivo de alguns outros era fraudes devido a pandenia infelizmente tem gente que nao tem respeito com os consumidores online. Mas em fim são hábitos de sustentabilidade e menos consumo que prático e tento dar o exemplo para muitos, mas com o mundo de hoje com muitos facilidades muitos acham trabalhoso certos hábitos mas vou continuar na luta fazendo minha parte e influenciando e tentando.
    Abraços

    Marcele Weitner dezembro 09, 2020

    Deixe um comentário

    Todos os comentários são moderados antes de serem publicados